21 de maio de 2012

União inviabiliza obra da Marginal Botafogo




De acordo com o presidente da AMOB, Ubirajara Alves Abbud, o Governo Federal recuou após denúncias da obra do Parque Mutirama.

A não prorrogação do convênio entre a Prefeitura de Goiânia e Governo Federal resultou na paralisação das obras da plataforma que fará ligação entre os Parques Botafogo e Mutirama. Até semana passada a Marginal continuava interditada, mas somente as bases para a plataforma foram construídas.

Segundo o presidente da Agência Municipal de Obras, Ubirajara Alves Abbud, os recursos previstos para tocar a obra não chegaram devido à suspensão do convênio. De acordo com ele, 95% da verba para a construção era derivado da União. “Havia R$ 22 milhões de orçamento, destinado para obra, dos quais R$ 4 milhões já estavam em caixa para pagamento”.

Ubirajara acredita que as denúncias em torno do parque criaram um clima ruim e motivaram o Governo Federal a optar pela suspensão. “Esses R$ 22 milhões que tínhamos para construir essa obra, hoje estão suspensos”.

O presidente relembra as denúncias feitas, prisões de funcionários e diz que a União é cautelosa com a liberação de recursos. Para ele, os fatos levaram o Governo Federal a recuar com receio de que a construção pudesse acarretar problemas. “Por medida de cautela eles não renovaram os convênios. Não está em vigor, então não podem repassar recursos. Para repassar os recursos é preciso fazer um novo convênio, o que tinha, extinguiu”.

Em relação às informações de que o contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, teria participações na empresa Warre Engenharia, responsável pela edificação da trincheira e da plataforma, Ubirajara Alves Abbud, admite que este é outro ponto que poderá dificultar a conclusão das obras no Complexo Mutirama.

Segundo Alves, assim que surgiu a gravação sobre o interesse de Cachoeira na Warre, o proprietário da empresa, o engenheiro, Paulo Daher foi convocado para explicar o ocorrido. O presidente relata que o Daher descartou qualquer ligação com o Carlinhos Cachoeira. “Se aparecer alguma denúncia mais grave, é claro que o posicionamento da prefeitura seria diferente. Até o momento está no plano das hipóteses”.

Quanto à parte dos recursos da prefeitura que seriam destinados a construção da plataforma, foram direcionados para a construção da trincheira na Avenida Araguaia. No local, as fundações laterais já estão prontas, assim como a escavação. Ubirajara Alves afirma que, caso não ocorra nenhum problema, seja ele jurídico ou técnico, as obras neste ponto ficarão prontas em setembro.

Fonte: Portal 730