12 de janeiro de 2012

Governador aprova projeto para construção do Hugo II


O governador Marconi Perillo se reuniu na tarde desta quarta-feira (11), no 10º andar do Palácio Pedro Ludovico Teixeira, com o secretário de Saúde Antônio Faleiros, presidente da Agetop, Jayme Rincón, e representantes do consórcio responsável pelo projeto dos hospitais Hugo II e da Mulher. O governador aprovou o projeto de construção do Hugo II, que deverá ter o mesmo porte do Hugo da região Sul de Goiânia, com 250 leitos. A novidade do Hugo II é o tratamento para vítimas de queimaduras. Segundo Faleiros, que concedeu coletiva à imprensa na saída da reunião, a área física será maior que a do Hugo atual. Ainda não foram divulgados valores dos projetos, já que um novo estudo deverá ser feito e apresentado ao governador em uma semana.

Até o momento, apenas o projeto do Hugo II foi aprovado, pois o governador pediu que o consórcio avaliasse condições econômicas mais viáveis para a construção do Hospital da Mulher e apresentasse mais uma opção. A decisão está entre demolir o Hospital Materno Infantil e construir no local o Hospital da Mulher, ou realizar reforma na unidade e transformá-la em Hospital da Mulher e Hospital da Criança, conforme explicou Faleiros.

“Em relação ao Hospital da Mulher, ainda não chegamos a um consenso sobre a construção; se faremos a reforma do Materno Infantil e construiremos o Hospital da Mulher, cujo projeto foi apresentado hoje, ou se vamos demolir o hospital, já que os custos são muito altos para fazer a reforma de um prédio tão velho quanto aquele, ou fazer os dois juntos, Hospital da Criança e Hospital da Mulher onde fica o atual Materno Infantil. O governador pediu mais uma semana de prazo para que possamos fazer um estudo econômico e descobrir qual projeto é mais viável”, disse.

Faleiros disse ainda que a vontade é a de é que as obras comecem ainda este ano. Em relação ao Hugo II, que já teve projeto aprovado, o objetivo é que o processo licitatório seja aberto em fevereiro. “Já vamos dar andamento ao projeto do Hugo II, mas vamos primeiro fazer um comparativo de preços entre o que pode ser executado pelo governo diretamente e o que pode ser executado pelo consórcio, para sabermos se os preços apresentados estão de acordo com o queremos”.

O consórcio responsável por apresentar o projeto foi escolhido por meio de chamamento público. Após aprovados os projetos dos dois hospitais, o Estado fará a licitação e o consórcio que apresentou o projeto, ou outro que se interessar pelo projeto, poderá executar a obra.

O representante do consórcio, que atua na NVE Saúde e engloba quatro empresas, Cláudio Taboada, disse que, aprovado o projeto e licitada a obra, todos os equipamentos também caberão ao consórcio. Ele acredita que os hospitais fiquem prontos em um ano e meio, mas há possibilidade de que partes possam entrar em funcionamento antes de a obra estar completamente pronta.

Fonte: Portal 730