23 de outubro de 2014

Pela primeira vez na história, casos de malária confirmados podem ter surgido em Goiânia


Episódio preocupa as autoridades médicas, sobretudo porque os doentes são moradores da região do Parque Flamboyant e nunca estiveram em aéreas de risco

O Parque Flamboyant, na Região Sul de Goiânia, está sendo monitorado desde terça-feira (21/10) por vinte agentes de combate a endemias. A ação da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) pretende quebrar a cadeia de transmissão dos casos de malária na capital.  Nesta semana três casos da doença foram confirmados. O episódio preocupa as autoridades médicas, sobretudo porque os doentes são moradores da região do parque e nunca estiveram em aéreas de risco.

O fato pode se configurar autóctone, ou seja, os casos podem ter surgido a partir do lugar onde foram percebidos e não de pessoas que vieram contaminadas de outras regiões do País. A diretora em Vigilância em Saúde da SMS, Flúvia Amorim, afirmou ao Jornal Opção Online que pela primeira vez na história os casos registrados podem ter surgido na capital. “Não temos registros em nosso sistema de pessoas infectadas em Goiânia. E pela investigação que estamos fazendo, certamente, estes serão os primeiros de pessoas infectadas na capital”, disse.

Nesta quarta-feira (22), os agentes da SMS inspecionaram prédios e residências em um raio de dois quilômetros do parque. O objetivo principal da ação é verificar criadouros do mosquito transmissor da doença e orientar à comunidade a eliminar focos de água parada, como já ocorre na prevenção ao inseto transmissor da dengue.

Histórico em Goiás



Segundo o Núcleo Hospitalar de Vigilância Epidemiológica e Serviço de Vigilância em Saúde, os casos da doença em Goiás decaíram ao longo dos últimos anos. Em 2010 o Hospital de Doenças Tropicais Dr. Anuar Auad (HDT) confirmou 80 casos no Estado. No ano passado a unidade de saúde registou 39 casos. Até o último dia 16 deste mês o HDT já tratou 24 casos da infecção, que tem maior incidência no sexo masculino.

Entre 2010 e 2013, cerca de 50% a 60% do total de casos confirmados de malária residentes em Goiás, moravam em Goiânia. Em 2014, até 16 de outubro esse percentual foi de aproximadamente 40%. As pessoas infectadas em Goiás neste contraíram a doença provavelmente no Pará, Rondônia, Amazônia e Tocantins.

A doença

A transmissão infecciosa ocorre após picada da fêmea do mosquito Anopheles, contaminada por protozoários do gênero Plasmodium.

Os sintomas mais comuns são calafrios, febre alta (no início contínua e depois com frequência de três em três dias), dores de cabeça e musculares, taquicardia, aumento do baço e, por vezes, delírios. Além dos sintomas correntes, também pode aparecer ligeira rigidez na nuca, perturbações sensoriais, desorientação, sonolência ou excitação, convulsões, vômitos e dores de cabeça, podendo levar o paciente ao coma.

Não existe vacina contra a malária, que se não for tratada pode levar à morte. O tratamento é padronizado e oferecido aos paciente pelo Ministério da Saúde.

Fonte: Jornal Opção (Thiago Araújo)


Brasileiro pode ser recordista entre serial killers, diz criminologista


Caso se confirmem as 39 mortes confessadas em Goiânia, segundo a polícia, pelo vigilante Tiago Henrique Gomes da Rocha, o brasileiro estará entre os serial killers mais letais da história moderna. É o que afirma o professor de criminologia americano Scott Bonn, da Universidade Drew, em Nova Jersey (EUA).

A polícia de Goiânia diz que Rocha, de 26 anos, cometeu os crimes a partir de 2011. Entre suas vítimas estão moradores de rua, homens gays e jovens mulheres. Rocha foi preso na semana passada numa operação policial.

"Isso (o total de vítimas) o colocaria no topo do ranking, ao lado dos mais prolíficos serial killers da história moderna", disse Bonn à BBC Brasil.

Bonn, autor do livro "Why We Love Serial Killers" (Por Que Amamos Serial Killers", em tradução livre), a ser lançado na próxima semana, compara o brasileiro a psicopatas americanos que ficaram célebres por seus crimes.

"Ele parece ser um psicopata, como Ted Bundy, John Wayne Gacy, Dennis Rader ou Gary Ridgway, que foram alguns dos mais prolíficos serial killers da história americana", diz Bonn.

Psicopatas

Acredita-se que Ted Bundy, executado em 1989, tenha estuprado e assassinado pelo menos 36 mulheres nos anos 1970. Considerado bonito e extremamente carismático, ele atraía suas vítimas muitas vezes fingindo algum tipo de ferimento e pedindo ajuda. Diferentemente de Tiago, Bundy não usava armas de fogo, preferindo golpear ou estrangular suas vítimas.

John Wayne Gacy torturou, violentou e assassinou pelo menos 33 rapazes nos anos 1970. Ele era considerado um membro exemplar da comunidade, inclusive se vestindo de palhaço em eventos beneficentes para arrecadar fundos para caridade, o que o tornou conhecido como "o Palhaço Assassino".

Dennis Rader torturou e matou dez homens e mulheres de diferentes idades entre os anos 1970 e 1990 no Estado do Kansas. Ele costumava enviar cartas à polícia e a jornais detalhando seus crimes. Já Gary Ridgway foi condenado por matar 49 mulheres a partir dos anos 1980, mas acredita-se que o número de vítimas possa passar de 90.

"Todos eles eram completos psicopatas, e só foram pegos porque acabaram cometendo algum erro", observa Bonn.

O Brasil também já teve outros casos célebres de serial killers, como Pedro Rodrigues Filho, o "Pedrinho Matador", acusado de mais de 70 mortes, entre elas a do próprio pai, e Francisco das Chagas Rodrigues de Brito, que estuprou, matou e castrou 42 meninos no Maranhão e no Pará entre 1991 e 2003.

Missão

O criminologista ressalta que, assim como Rocha, os psicopatas americanos mencionados por ele levavam vidas aparentemente normais, sem despertar suspeitas.

Vizinhos e colegas de Rocha se declararam surpresos com a revelação dos crimes. Seus empregadores afirmaram que até então a conduta do vigilante no ambiente de trabalho era "irrepreensível".

"Psicopatas usam máscaras, conseguem fingir ser perfeitamente normais. Sabem qual a coisa correta a dizer e a fazer em cada situação. Eles não sentem emoções, mas são muito bons em fingir emoções. Conseguem se camuflar, como um camaleão", diz Bonn.

Bonn salienta que psicopatas não são doentes mentais. "É um transtorno de personalidade. Esses indivíduos são capazes de compartimentalizar suas vidas. Ele (Rocha) trabalhava em um hospital, poderia parecer um cara legal. Mas tinha esse alter ego", afirma.

A escolha das vítimas feita por Rocha, que diz ter matado homossexuais e pelo menos oito moradores de rua, leva o especialista a classificar o brasileiro em uma categoria de serial killers definida como "mission killers", ou assassinos com uma missão.

"É alguém que imagina, em sua mente perturbada, estar fazendo um bem para a sociedade. É uma forma de racionalizar seus crimes", afirma.

Bonn lembra o caso do ex-fuzileiro naval Itzcoatl Ocampo, acusado de uma série de assassinatos em Los Angeles entre 2011 e 2012, cujas vítimas principais eram moradores de rua.

"Ele estava revoltado porque havia sido treinado para ser um atirador de elite no Iraque, mas nunca pode colocar isso em prática. Então, decidiu livrar a sociedade dos moradores de rua."

Rejeição e abuso

O ex-advogado de Rocha revelou que seu cliente havia sofrido abuso sexual na infância e bullying na escola.

Para Bonn, é provável que esse tipo de experiência tenha deixado no brasileiro um sentimento de raiva.

"(Os crimes) eram sua maneira de canalizar essa raiva. Ele sentia que havia sido abusado pela sociedade e encontrou uma maneira de revidar", diz.

O criminologista observa que no caso dos assassinatos de mulheres atribuídos a Rocha, há indícios de que os crimes não tenham tido motivação diretamente sexual.

Desde janeiro deste ano, pelo menos 15 mulheres foram assassinadas a tiros em Goiânia por um motociclista com o rosto coberto. Agora, acredita-se que Rocha seja o autor desses crimes.

"O fato de que ele atirou contra elas à distância indica que não há um componente sexual para esses crimes, que tinham outra motivação. E suspeito que seja porque ele simplesmente tinha raiva de mulheres, por ter sido rejeitado quando era mais jovem", afirma.

Segundo os policiais que trabalham no caso, Rocha teria dito que sofreu traições e desilusões amorosas. O suspeito também teria demonstrado desconforto com a presença de mulheres durante seus depoimentos.

Além dos assassinatos, Rocha é investigado por cerca de 90 roubos. Ao ser preso, ele pediu ajuda médica.

Bonn salienta, porém, que não existe cura para um psicopata. "Tipicamente, psicopatas são isolados nas prisões e podem aprender a obedecer as regras e até se tornarem prisioneiros modelos. Mas não há cura."

Fonte: BBC Brasil


Goiás soma 3,5 mil cargos de até R$ 21 mil


Certames selecionam professor, guarda municipal, promotor de justiça, fiscal do meio ambiente e outros

A Universidade Federal de Goiás (UFG) está com inscrições abertas para concurso com 30 vagas para professores efetivos. Os cargos são para nível superior, separados em graduação, especialização, mestrado e doutorado, com dedicação exclusiva ou em regime de 20 horas. Os salários vão de R$ 3.594,57 a R$ 8.049,77.

As inscrições, que variam de R$ 47 a R$ 161, podem ser feitas exclusivamente no site da UFG. As vagas são para Goiânia, Aparecida de Goiânia, Catalão e Jataí.
Os cargos são na área de agronomia, engenharia elétrica, mecânica e de computação, veterinária e outros.

O término das inscrições é diferente para cada uma das vagas e varia do dia 20 deste mês até 5 de janeiro.

A data das provas ainda não foi definida. Haverá prova escrita e análise curricular para todos os cargos e alguns deles ainda terão avaliação complementares. O concurso terá validade de um ano podendo ser prorrogado por igual período.

Goiânia

A Prefeitura de Goiânia abriu processo seletivo para a contratação de 2.534 profissionais da educação. Os vencimentos variam de R$ 724,00 a R$ 1.696,76, considerando a carga horário de 30 horas semanais.

São aptos a participarem da seleção candidatos com formação em nível fundamental, médio e superior.

As chances são para assistente administrativo educacional, agente de apoio educacional e professores.
O período de inscrições segue até 31 de outubro pelo site www.concursos.goiania.go.gov.br. Os candidatos serão avaliados por meio de prova de títulos, cujo resultado final será válido até dezembro de 2015, podendo ser prorrogado até 2016.

O processo seletivo terá validade entre novembro de 2014 e dezembro de 2015 e, caso haja cadastro reserva, poderá ser prorrogada para o ano de 2016, conforme necessidade da Rede Municipal.

Formosa

A Prefeitura de Formosa publicou o edital de concurso com 396 vagas, sendo 99 imediatas e 297 para cadastro reserva. No extrato do edital, publicado no Diário Oficial do dia 16 de setembro, a oferta era de apenas 113 oportunidades. As inscrições já estão abertas e seguem até dia 9 de novembro, no site do Instituto Brasileiro de Educação e Gestão (Ibeg). As taxas custam R$ 32, R$ 42 e R$ 55. Os salários variam de R$ 724 a R$ 2.054,07. Há oportunidades para todos os níveis de escolaridade. As chances para quem tem nível superior são de analista de contratos e convênios, engenheiro elétrico e outros. Em nível técnico as vagas são para técnico em edificações e topógrafos.

Para ensino médio, as oportunidades são para fiscal do meio ambiente, guarda municipal e outros. Candidatos com nível fundamental disputarão as chances de agente de serviços e obras, auxiliar geral e outros.

O posto de auxiliar de topografia é para quem tem nível fundamental completo. O cargo de auxiliar de manutenção poderá ser disputado por adultos alfabetizados.

O concurso terá validade de dois anos, podendo ser prorrogado por igual período.

MP/GO

Seguem abertas inscrições ao concurso para promotor de Justiça substituto do Ministério Público de Goiás, que oferece 25 vagas para o cargo, com duas delas reservadas para pessoas com deficiência. O vencimento inicial é de R$ 21.657,46. Os interessados terão até as 23h59 de 23 de outubro para se inscrever no site do MP (www.mpgo.mp.br). A taxa é de R$ 231,28. Serão exigidos do bacharel em Direito o registro na OAB e a comprovação de, no mínimo, três anos de atividade jurídica.

A prova, de múltipla escolha, está prevista para dia 14 de dezembro. Além dela, os candidatos passarão por outras três etapas de exames: as provas subjetivas, as provas orais e a prova de tribuna. O edital prevê ainda a realização de avaliações psicológica e de títulos.

As provas serão realizadas em Goiânia. O concurso terá validade de dois anos, contados da homologação, prorrogável uma vez, por igual período.

Pontalina

A Prefeitura de Pontalina abriu edital de concurso público, com 103 vagas, sendo 29 imediatas e 74 para cadastro de reserva, em cargos de todos os níveis de ensino. Os salários vão até R$ 1.661,02. O concurso será executado pela empresa Somar Consultoria Municipal.

As ofertas são para agente comunitário de saúde, médico e outros. As inscrições serão realizadas no site www.somarconsultoria.net.br, até 29 de outubro. As taxas de inscrição são de R$ 60,00, R$ 70,00 e R$ 90,00. As provas objetivas para todos os candidatos serão realizadas dia 29 de novembro.
O prazo de validade do concurso será de dois anos, podendo ser prorrogado por uma única vez e por igual período, a critério da Administração.

Ceres

A Prefeitura de Ceres publicou edital de concursocom 144 cargos de níveis fundamental, médio e superior.

Os cargos são agente de apoio educacional, engenheiro e outros.

As inscrições vão até 24 de outubro nos sites www.perfas.com.br e/ou www.ceres.go.gov.br.
O concurso constará de prova escrita, prática e títulos. A prova escrita está prevista para 30 de novembro. A prova prática será realizada na data provável de 11 de janeiro.

Celg-D

A Companhia Energética de Goiás Distribuição (Celg-D) prorrogou as inscrições para o concurso do órgão até amanhã (21). São 300 vagas em cargos dos níveis médio, técnico e superior. Os salários variam entre R$ 1.881 e R$ 3.630.

As taxas de inscrição variam de R$ 70 a R$ 130. Os cargos são para assistente de gestão, analista de gestão, analista de saúde, analista técnico e outros.

As provas para os níveis médio e técnico serão realizadas no dia 16 de novembro. Para o nível superior estão previstas para o dia 30 de novembro. Todas serão aplicadas em Goiânia.

Fonte: Jornal O Hoje


Sem novidades na comemoração do aniversário de Goiânia


Programação de aniversário prevê tradicional desfile em Campinas e inauguração de viaduto

A comemoração do aniversário de Goiânia na sexta-feira (24) não contará com grandes surpresas ou novidades para o goianiense. Apenas o tradicional desfile na Avenida 24 de Outubro, às 8h45, e a inauguração do Viaduto da Avenida 88, às 9h30, estão contemplados na agenda oficial da Prefeitura de Goiânia de celebração dos 81 anos da capital. Os dois eventos contarão com a presença do prefeito Paulo Garcia (PT).

Segundo a Prefeitura, para os goianienses que optarem ficar na cidade no feriado as opções de lazer indicados são Parque Mutirama, Zoológico, Clube de Povo, além dos parques e bosques da cidade – entre eles o recém inaugurado Parque Municipal Hugo de Moraes, localizado entre as Ruas da Montanhola, HM5 e Doutor Sebastião Hugo de Moraes, no Residencial Hugo de Moraes.

Para o início da tímida comemoração serão realizadas nesta quinta-feira (23), pela Secretaria Municipal de Cultura (Secult Goiânia), o lançamento da exposição ‘Anos 80: liberdade e figuração’, no Museu de Arte de Goiânia (MAG), às 20h, e apresentação do Orquestra, Coro Sinfônico e Banda Marcial, no Teatro Sesi, às 20h30. A entrada para as duas programações culturais é franca.

Serviços

A Prefeitura informou que os atendimentos de saúde, assistência social, varrição, coleta de lixo, fiscalizações, entre outros serviços essenciais, continuarão sendo oferecidos normalmente à população, durante o dia 24. Os órgãos e entidades que exigem atendimentos e plantões permanentes funcionarão normalmente.

Veja a lista divulgada pela administração municipal dos órgãos que funcionarão no aniversário de Goiânia:

156

A Central de Atendimento da Prefeitura de Goiânia, 156, funcionará normalmente. Pelo telefone, o cidadão pode tirar dúvidas, fazer denúncias na área ambiental, solicitar serviços como fiscalização urbana, poda e extirpação de árvores, troca de lâmpadas, entre outros.

Semas

A Central de Óbitos de Goiânia, órgão da Secretaria Municipal de Assistência Social (Semas), funcionará 24 horas. As informações podem ser obtidas pelo telefone 156. A Casa da Acolhida (3524-2480), o Complexo 24 horas (3524-1859) e o Serviço Especializado em Abordagem Social (Seas: 0800-621177) também funcionarão normalmente durante o feriado.

Comurg

O setor operacional da Companhia Municipal de Urbanização de Goiânia (Comurg) manterá os serviços essenciais funcionando normalmente, como varrição, coleta de lixo e remoção de entulho. Os atendimentos nos casos de queda de árvores e o plantão de iluminação pública não sofrem interrupção. Os usuários poderão solicitar o atendimento pelo telefone 156.

SMT

O plantão de denúncias do Centro Operacional de Trânsito da Secretaria Municipal de Trânsito, Transporte e Mobilidade (SMT) funcionará por meio do telefone 118. Em caso de acidente de trânsito, o cidadão deve fazer o registro por esse número e no primeiro dia útil subsequente comparecer à SMT para o boletim de ocorrências. Além disso, vários agentes da SMT trabalharão nas ruas da capital, fazendo intervenções no trânsito durante as atividades em comemoração ao aniversário de Goiânia e no dia das eleições.

Guarda Civil Metropolitana

A Agência da Guarda Civil Metropolitana (AGCM) irá trabalhar normalmente na segurança dos prédios e logradouros públicos do município (como escolas, parques, unidades de saúde e outros) neste feriado. A AGCM também irá atender pelo telefone 156, recebendo denúncias sobre depredação do patrimônio público, invasão de escolas e outros prédios municipais ou sobre qualquer ação de vandalismo. Os agentes farão a segurança no desfile em comemoração ao aniversário de Goiânia.

Mutirama e Zoológico

Na sexta-feira, 24, e no sábado, 25, o Zoológico funcionará normalmente das 8 horas às 16h30, com venda de ingressos até às 16 horas. No domingo, 26, dia do 2º turno das eleições, o horário de funcionamento será das 8 horas às 14 horas, com venda de ingressos até às 13 horas. O Parque Mutirama também funcionará normalmente durante o feriado e será aberto das 9 horas às 19 horas, com a venda de ingressos até às 17 horas. No domingo o parque abrirá às 9 horas e funcionará até às 19 horas.

Saúde

Durante o feriado do aniversário de Goiânia (24 de outubro), os serviços de atendimentos de urgência e emergência (unidades 24 horas) funcionarão normalmente, inclusive o plantão odontológico. O departamento de Vigilância e Controle de Zoonoses poderá ser acionado pelo telefone 156 para apreensão de animais com histórico de agressividade ou agressivos e que sofreram atropelamento. No mesmo número, o departamento também atende denúncias de foco de dengue e agenda visita dos Agentes de Endemias aos imóveis da capital.

Unidades de Saúde em funcionamento no feriado

Cais Amendoeiras

Cais Jardim Novo Mundo

Cais Chácara do Governador

Ciams Jardim Guanabara

Cais Curitiba

Cais Cândida de Moraes

Cais Finsocial

Ciams Jardim América

Cais Campinas

Cais Deputado João Natal – Vila Nova

Cais Bairro Goiá

Centro de Referência em Ortopedia e Fisioterapia – Crof

Maternidade Nascer Cidadão

Hospital e Maternidade Dona Iris

Pronto Socorro Psiquiátrico Wassily Chuc

Ambulatório Municipal de Queimaduras

Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Itaipu

Plantão odontológico

Cais João Natal (Vila Nova)

Cais Campinas

Cais Cândida

Cais Curitiba

Unidade de Pronto-Atendimento

Cais Guanabara 3

Cais Bairro Goiás

Cais Novo mundo

Cais Amendoeiras

Cais Chácara do Governador

Dia do Funcionário Público

O prefeito de Goiânia, Paulo Garcia, assinou, no último dia 10, decreto que transfere a comemoração do Dia do Funcionário Público (28 de outubro) para o dia 31 de outubro, sexta-feira. Sendo assim, nesta data, será ponto facultativo no município.

Fonte: Jornal O Hoje (Ana Helena Borges)
Foto: O Popular


21 de outubro de 2014

Operadoras querem cortar internet de quem atingir a franquia


As operadoras devem estrear um novo formato de cobrança por internet no Brasil no qual o cliente é obrigado a pagar por um pacote adicional assim que sua franquia terminar. Com isso, será o fim da chamada "velocidade reduzida".

A novidade será implementada primeiro pela Vivo, segundo reporta O Globo. Maior operadora do país, com 79 milhões de clientes, a empresa apresentará o formato primeiro a quem tem celular pré-pago para, futuramente, mirar os clientes de planos pós-pagos.

Atualmente, um dos pacotes mais usados na modalidade pré-paga custa R$ 6,90 e garante 75 MB. Quando essa franquia acaba, o usuário não é desconectado; ao invés disso, recebe internet em velocidade reduzida, que chega a ser de apenas um décimo do total contratado.

Em novembro, quando o limite for alcançado a internet será cortada e, para continuar navegando, a pessoa precisará comprar 50 MB adicionais por R$ 2,99 para usar pelos próximos sete dias.

Oi e TIM confirmaram que também estudam migrar para esse formato e, embora a Claro não tenha comentado, O Globo diz que a operadora acompanhará as adversárias.

É assim que funciona em países da Europa e nos Estados Unidos e as operadoras argumentam que precisam acabar com a velocidade reduzida para que os clientes tenham uma experiência mais fiel em relação à internet que contrataram - já que muitos passam boa parte do tempo navegando por uma internet bem inferior.

Ao mesmo tempo, a novidade aumentará a receita das empresas, que passarão a vender esses pequenos pacotes adicionais.

Outro lado

Em nota ao Olhar Digital, a Telefônica Vivo confirmou que haverá mudanças na oferta de internet móvel ilimitada, que depende da redução de velocidade ao fim da franquia contratada. Mas a empresa ressaltou que, por enquanto, isso só ocorrerá nos estados do Rio Grande do Sul e Minas Gerais.

Nesses locais os clientes de planos pré-pagos terão o serviço interrompido assim que o pacote terminar. Ao atingir 80% do contratado eles receberão uma mensagem SMS de aviso e, quando a franquia efetivamente terminar, chegará outro SMS, desta vez com a oferta de um pacote com 50 MB adicionais por R$ 2,99 e que terá validade de sete dias.

"O cliente agora navega sempre em alta velocidade, sem o incômodo de o desempenho ser reduzido quando a franquia acaba", justifica a empresa. "Existe também a opção de o cliente fazer um upgrade de pacote, com a franquia de internet mais adequada às suas necessidades."

Segundo a operadora, o mesmo formato poderá ser estendido a outras regiões e aos clientes de planos pós-pagos nos próximos meses.

A TIM também se pronunciou sobre o assunto. Ao Olhar Digital a empresa diz que "mudanças no formato de tarifação de dados móveis são um movimento natural, em linha com o crescimento contínuo do uso de internet nos celulares e outros dispositivos", mas nega planejar reajuste e "segue avaliando as diferentes possibilidades".

Fonte: Olhar Digital


Alerta: Goiânia registra 3 casos de malária


Três casos de malária em pessoas de classe média, moradoras das proximidades do Parque Flamboyant, no Jardim Goiás, região Sul da capital estão sob investigação da Diretoria de Vigilância em Saúde da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de Goiânia. O alerta foi dado na semana passada por um hospital privado por onde passaram dois dos pacientes, uma mulher de 53 anos e um homem de 24. No final da tarde de ontem, o órgão municipal confirmou o terceiro caso de um jovem de 15 anos que está internado em outro hospital particular. O temor das autoridades de saúde é de que a doença seja autóctone, ou seja, transmitida em Goiânia, o que não acontece há vários anos.

Os dois primeiros pacientes chegaram ao pronto-socorro do hospital particular com sintomas como febre e dores no corpo. Exames de sangue de ambos apontaram a presença do parasita plasmodium vivax, responsável por 85% dos casos de malária no Brasil. A doença, endêmica na região amazônica, é transmitida pela fêmea infectada do mosquito Anopheles, que geralmente pica no amanhecer ou no anoitecer. Diretora de Vigilância em Saúde da SMS, Flúvia Amorim confirma que os três exames foram positivos para malária.

“Não sabemos ainda se eles foram infectados em Goiânia, mas como os três são moradores das proximidades do Parque Flamboyant, hoje mesmo vamos colocar armadilhas no local para tentar capturar o mosquito transmissor, o Anopheles”, disse ontem Flúvia Amorim. Segundo ela, é prematuro afirmar que se trata de uma transmissão autóctone enquanto os três casos não forem investigados. Equipes da Vigilância Epidemiológica já estão conversando com as famílias para descobrir se os pacientes viajaram nos últimos dias. De acordo com a diretora de Vigilância em Saúde, entre a picada do mosquito e o desenvolvimento da doença há um período de incubação de 30 dias.

Caso seja comprovado que o local de contaminação é mesmo Goiânia, a SMS vai tomar as medidas de controle para evitar que mais pessoas sejam infectadas. O foco se volta para o controle do vetor e para o tratamento dos pacientes, que se tornam transmissores em potencial. Com o parasita na corrente sanguínea, eles podem ser picados pelo mosquito que vai transmitir para outras pessoas.

DIAGNÓSTICO TARDIO

A infectologista Cristiane Reis Kobal, que acompanha um dos casos, está preocupada. Ontem, o rapaz de 24 anos foi encaminhado para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) com dificuldades respiratórias. No meio da manhã ela informou que o rapaz não estava respondendo aos medicamentos à base de cloroquina, o mais utilizado em casos de malária. “Há anos não temos malária autóctone em Goiânia, por isso a preocupação”, afirma a médica. Christiane Kobal conversou com familiares do paciente e está convicta de que o jovem não deixou a capital nos últimos 11 meses.

Christiane Kobal estava viajando para os Estados Unidos quando a mulher foi atendida no hospital privado. “Quando me ligaram e disseram que era malária pedi para encaminhá-la para o Hospital de Doenças Tropicais (HDT)”. Em nota, o HDT informou que a mulher realmente passou pela unidade no dia 9 deste mês com suspeita de malária, mas foi liberada após ser submetida a exames. Alegando respeito à paciente e à ética médica, o hospital não informou o diagnóstico. O POPULAR apurou que a mulher voltou a ser internada na sexta-feira, desta vez em um hospital privado.

Christiane Kobal está apreensiva. “É preciso ressaltar a importância médica disso. Inicialmente, tanto familiares quanto médicos acreditaram que o paciente de 24 anos estava com dengue e o diagnóstico demorou muito para ser feito, o que agravou seu quadro”, explica a médica. “É uma situação grave porque muitas pessoas podem estar com os sintomas acreditando ser dengue, e na verdade é malária”, diz a infectologista.

Flúvia Amorim, diretora da SMS informa que está há mais de 15 anos na Vigilância Epidemiológica de Goiânia e desde então nunca foi registrado nenhum caso de malária transmitida na capital. “Todos foram importados, pessoas que viajaram e foram contaminadas em regiões de risco”.

Contaminação na capital é improvável

A malária é causada pelo protozoário Plasmodium. No Brasil, os agentes infecciosos são as espécies Plasmodium malariae, Plasmodium falciparum e Plasmodium vivax, sendo que as duas últimas são responsáveis pela grande maioria das infecções em todo o mundo. De acordo com o doutor em genética de malária, o professor e pesquisador do Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública (IPTSP) da Universidade Federal de Goiás, Pedro Cravo, os casos em que o agente é a Plasmodium vivax, 85% do total, são mais fáceis de tratar e com letalidade muito pequena. Já os 15% restantes são mais letais.

Pedro considera improvável, mas não impossível que a contaminação dos três casos já notificados à SMS tenha ocorrido em Goiânia por se tratar de uma doença rural, de florestas. “É preciso investigar, mas é estranho”, diz.

Fonte: Radio Rio Vermelho


Vagas: Credeq de Aparecida de Goiânia inicia seleção de profissionais


Salário chega a R$ 5.600; saiba como concorrer

A Organização Social Luz da Vida vai selecionar 226 profissionais para atuarem no Centro de Referência e Excelência em Dependência Química (Credeq Prof. Jamil Issy), unidade Aparecida de Goiânia. Publicado, o edital prevê salários que podem chegar a R$ 5.600. As vagas são para os níveis fundamental, médio e superior.

As inscrições são feitas exclusivamente pelo site: www.credeq-go.org.br, até dia 30 de outubro. A seleção será realizada pela Humana Assessoria e Consultoria em Recursos Humanos. Há vagas disponíveis para os seguintes níveis: fundamental, médio, técnico e superior. A taxa de inscrição varia entre R$ 20 e 50.

O Credeq é uma iniciativa do governo de Goiás que atua no tratamento integral para dependentes químicos. A unidade que está em fase final de conclusão, no setor Expansul, tem capacidade para 96 internos.

Além disso, vai realizar cerca de 2.500 consultas em clínico geral, psiquiatria e pediatria mensais – dentro da Rede de Atenção Psicossocial –  voltada ao tratamento de dependentes químicos.

Edital: Aqui

Fonte: A Redação

Gomide tem candidatura impugnada pelo TRE


O TRE ainda não se pronunciou sobre a realização ou não do segundo turno no domingo

O Tribunal Regional Eleitoral de Goiás (TRE-GO) considerou procedente o pedido de indeferimento de candidatura do ex-candidato ao governo do Estado pelo Partido dos Trabalhadores (PT), Antônio Gomide, devido às irregularidade nas contas da prefeitura de Anápolis de 2010. A votação aconteceu na tarde desta segunda-feira (20) e a decisão foi unânime.

Assim sendo, os votos recebidos por Gomide no primeiro turno das eleições 2014 podem ser considerados inválidos.

Vice

No dia 4 de outubro, o também ex-candidato a governo de Goiás Alexandre Magalhães (PSDC) protocolou a impugnação das candidaturas de Antônio Gomide e Zé do Carmo, candidatos a governador e a vice-governador, respectivamente, por suposto descumprimento do prazo para substituição do vice na chapa.

O requerimento de impugnação foi feito com base na possibilidade de Zé do Carmo, escolhido para ser vice de Gomide após desistência de Tayrone Di Martino, não ter desincompatibilizado do cargo de professor da Universidade Federal de Goiás (UFG) em um prazo de 90 dias antes do pleito, conforme prevê a legislação eleitoral. O pedido de renúncia  de Tayrone Di Martino foi protocolizado no TRE já no fim da tarde de 1º de outubro, reta final da corrida eleitoral.

O TRE julgou regulares tanto o prazo para a substituição, quanto o licenciamento de José do Carmo das funções públicas, que é professor da UFG.

O  TRE ainda não se pronunciou sobre a realização ou não do segundo turno no domingo.

Fonte: Jornal O Hoje (Tatiane Fernandes)


20 de outubro de 2014

E se o ebola chegar em Goiás?


Estado tem unidade de referência para combater a doença, o que poderia atrair corrida no Brasil por atendimento no Estado

De tempos em tempos, a humanidade cria seus inimigos invisíveis: os micro-organismos não perdoam alvos. Humanos ou animais, eles simplesmente invadem, habitam, parasitam e destroem.

Bactérias e vírus, principalmente, se comportam como piratas celulares que atacam o organismo, minando defesas e facilitando a incidência de doenças oportunistas.

Na última segunda-feira, a Organização Mundial da Saúde (OMS) emitiu um alerta: o vírus ebola se espalha “exponencialmente”. Na Libéria, informa o órgão das Nações Unidas (ONU), milhares de novos casos são esperados até a primeira semana de outubro.

Na natureza não existem alfândegas nem barreiras. Vírus não falam línguas nem escolhem países. Apenas chegam. E se o ebola, então, chegasse ao Brasil? Ou mais específico, em um Estado como Goiás?

O Hospital de Doenças Tropicais (HDT) seria estratégico na defesa dos goianos e devido ao grau de excelência em seu atendimento poderia atrair moradores de outros Estados. De imediato, todos os olhares se voltariam para esta unidade de saúde. Conforme a gerente médica Analzira Nobre, existem apenas oito hospitais semelhantes no Brasil. Ou seja, faltariam unidades para cuidar de todo País. E os hospitais goianos que já são procurados normalmente teriam uma demanda ampliada.

“O HDT seria referência regional e nacional. Ele é estratégico para a população, pois a partir de qualquer ameaça infecciosa da população, nós somos referência. O HDT deve se responsabilizar, assim, por qualquer surto ou doença infecciosa”, explica a médica.

Analzira Nobre diz que é pequena a chance da chegada do ebola em Goiás. Mas ela não descarta: “Em termos de possibilidade não devemos usar a palavra nunca. Mas a chance é pequena.”

Vigilância

A gerente informa que como o HDT é um hospital importante para a vigilância, os casos seriam concentrados nele. “No caso de ebola dentro de Goiás, precisaríamos dessa centralização que este hospital oferece. A doença é altamente virulenta, de letalidade muito grande.”

O HDT concentraria, assim, ações de combate, pesquisa e prevenção. Seria uma espécie de bunker em meio à guerra contra o invisível. Desta forma, diz a médica ao Diário da Manhã, o hospital seria estratégico para conter o avanço da doença e, talvez, tentar o tratamento, ao entrar em contato com outros países que atuam na busca de uma vacina.

Até agora, apenas o boato se espalhou na população. Em agosto, o Ministério da Saúde emitiu nota para esclarecer que as informações que circulavam nos celulares, por meio do WhatsApp, são falsas.

Nenhum nigeriano, portanto, foi internado no Maranhão e disseminou a doença no País. Nenhum haitiano também. O boato serviu apenas para suscitar um outro aspecto científico, mas sociológico: o preconceito à flor da pele que temos com os negros imigrantes que chegam ao Brasil.

A epidemia que caminha para o registro de 2.288 mortes pelo mundo é perigosa, mas não deve causar pânico, esclarece a infectologista Otília Lupi, da Fundação Oswaldo Cruz. Lupi ainda informa que a doença mexe com o “imaginário das pessoas e o medo da doença é motivado pelo fato dela nos lembrar da morte”.

A imagem mais distante é a peste – horripilante e medieval que obrigava os médicos a andarem com vestes negras e uma máscara em forma de bico. O Sars seria o mais recente: midiático, que não chegou no Brasil.

ZONAS RURAIS

Conforme Lupi, o ebola saiu das zonas rurais e começou a ameaçar as áreas mais urbanas, o que ampliou a matemática da epidemia. “O mundo hoje é muito pequeno e precisamos acompanhar tudo que está acontecendo. Para se preparar e para cooperar”, diz.

A infectologista informa que a doença é considerada grave, pois tem tirado a vida de cerca de 60% das pessoas contaminadas. Conforme a OMS, o maior surto ocorreu na África Ocidental. A doença rapidamente se espalhou, principalmente em equipes médicas e de atendimento. Enfermeiros e médicos passaram a ser vítimas e na maioria dos casos acabaram morrendo em contato com o vírus.

Guiné, Serra Leoa e Libéria são os países mais afetados. A incidências de mortes aumentou nos últimos dias, informou a OMS. A metade ocorreu nas últimas três semanas. Se no Brasil a narrativa é de susto e temor, em Serra Leoa é de coragem para muitos enfermeiros que continuam militando na guerra.

O principal erro do combate inicial foi uso simples de óculos Lassa. Os agentes de saúde se esqueceram do restante do rosto, permitindo o ataque dos vírus. A enfermeira Sellu, por exemplo, perdeu 15 amigos da equipe médica. Só restou ela.

Vírus já passou por 300 mutações

O vírus ebola é de fita simples, com genoma de RNA. Na literatura biológica, os vírus RNA de cadeia simples podem ser de três formas: vírus de cadeia positiva, negativa e retrovírus.

O ebola é negativo e envelopado, ou seja, quando rompe as células hospedeiras, carrega camadas de proteínas destas células, os envelopes. Ser negativo significa que ele sintetiza RNA positivo a partir do RNA que chega dentro do capsídeo. Sintetizar significa produzir, se organizar internamente para construir novos microorganismos.

Dentro das células, ocorre uma série de procedimentos naturais cuja meta é empacotar novos vírus e depois arrebentar a parede celular, liberando novos capsídeos. Hantavírus e influenza são exemplos de vírus cadeia negativa.

Entender o vírus ebola é uma das ações mais complexas para os cientistas, pois ele tem sofrido mutações constantes. Artigo publicado no começo do mês na revista Science diz que o micro-organismo teve até agora 300 modificações desde o surto de 1976, que ocorreu também na África. Por isso quando uma equipe entende a doença, ela já se modificou.

O vírus costuma afetar primeiro o fígado e a vascularização do corpo. Seus sinais são característicos de outras doenças: febre alta, anorexia, náusea, dor abdominal, calafrios, dor de cabeça, dor de garganta e prostração. Dentro das células e sob os tecidos dos órgãos, todavia, ocorre uma luta interna: células endoteliais, fagócitos mononucleares e os hepatócitos dos humanos – células do fígado que sintetizam proteínas – são atacadas pelo ebola.

Ele chega e produzir a glicoproteína segregada (SGP), que começa a interferir nas células humanas. A superfície interior dos vasos sanguíneos, formada pelas células endoteliais atacadas, por exemplo, começam a sofrer transformação. Aos poucos, as células passam a liberar citocinas com a inflamação e a crise de imunidade se intensifica. O corpo entra em colapso.

Como evitar

Uma das formas de impedir o contágio é evitar o contato com sangue ou secreções corporais – vômito, urina, fezes, etc. Ingerir carne infectada também produz a doença. Parentes contaminados e equipe médica são os mais passíveis de propagação do vírus.

A febre hemorrágica é nada mais do que as microlesões vasculares e suas complicações. Ao se identificar a doença a equipe médica deve pedir isolamento do suspeito. É a chamada quarentena. Não existe ainda uma vacina eficaz contra a doença.

saiba mais
Se o vírus chegar...

...Goiás tem o Hospital de Doenças Tropicais (HDT), um dos oito centros médicos preparados para agir rapidamente contra focos infecciosos.

...inúmeros pacientes migrariam para o Estado em busca de atenção médica. Já é comum isso acontecer, com unidades de referência, caso do Hospital do Câncer e Crer.

...a rede privada talvez não teria a capacidade e agilidade para realizar as investigações necessárias.

...o paciente será analisado, como o HDT já fez com uma mulher, que foi a primeira suspeita. Ela foi até Moçambique em missão religiosa e voltou com fortes suspeitas. Mas a equipe médica não confirmou a doença. O fato ocorreu no início de agosto.

....se o paciente estiver em uma cidade do interior deve urgentemente buscar auxílio médico e, se constatada a suspeita, deve encaminhar com urgência o paciente para o HDT.

Fonte: DM (WELLITON CARLOS)


Hostel 7: O primeiro e único albergue de Goiânia


A cultura do hostel chega a Goiânia. Nova opção tem tudo para dar certo

Goiânia - Há cerca de sete meses, Goiânia tem um albergue, o primeiro e único, diga-se de passagem. Localizado na Avenida T-2, quase esquina com a T-10, o Hostel 7 é uma unidade goiana de uma empresa brasiliense, criada por cinco amigos escoteiros que rodaram meio mundo afora e decidiram oferecer hospedagens baratas e aconchegantes no Planalto Central.

Quando a primeira unidade passou o período sofrido inicial e começou e ter retorno, surgiu a oportunidade de trazer para Goiânia a casa tão colorida e cheia de Kombis por todos os lados. O fato de dois dos sócios serem goianos ajudou na estratégia ousada. Eles sabiam que por aqui esse campo ainda não tinha sido explorado e acharam uma boa ideia ter um cantinho aqui também.

E que cantinho! O lugar funciona em uma antiga casa residencial enorme, de dois andares, piscina, churrasqueira (disponíveis para os hóspedes até às 23h), salas de convivência espaçosas e quatro suítes que agora abrigam as beliches super organizadas.

Os quartos, aliás, homenageiam símbolos das cidades (em Brasília, se chamam Athos Bulcão, Lúcio Costa, Oscar Niemeyer e por aí vai. Aqui, foram batizados de Cora Coralina, Pequi, Rio Araguaia e É o Amor). Cada quarto comporta de oito a 14 pessoas e uma diária no lugar pode variar de R$ 50 a R$ 60.
Para acolher bem o turista, além da decoração divertida, o hostel também oferece sucos e frutas à vontade para os hóspedes. Apesar de novo, o gerente Rodrigo de Paula disse que a casa está sempre lotada nos fins de semana, principalmente de brasilienses que vêm curtir as festas de Goiânia.

Outro público forte são os concurseiros do interior, que aproveitam o fim de semana para fazer cursos específicos na Capital. Com capacidade para 40 pessoas, o Hostel 7 também teve grande movimento durante a Copa do Mundo, quando recebeu pessoas vindas da Colômbia, Inglaterra, França, Finlândia, Argentina e outros países.

Com localização estratégica e clima acolhedor, essa nova opção de hospedagem tem tudo para dar certo e atrair cada vez mais turistas para Goiânia. Agora quando algum amigo quiser sugestão de hospedagem por aqui, já sei o que indicar ;)

Fotos: 







Fonte:  A Redação
Foto: Raisa Ramos